Blog

CRÓNICA, 31

3 DICAS DEMOCRÁTICAS

1. Gosto da democracia fluida, polimorfa, constante. Acho interessante quando as pessoas interrompem a profissão por um tempo e vão ocupar um cargo público e, depois, regressam à profissão. De seguida, por exemplo, militam numa associação ou numa causa, ou em várias. Um dia voltam à política institucional – e assim sucessivamente. Não fazem da participação política uma profissão, mas sim uma atividade tão natural e necessária como respirar – ou um exercício, como ir ao ginásio ou correr. Nesse ir e vir, nesse experimentar, nesse ir vivendo, tudo se enriquece mutuamente: a profissão, a política, o ativismo. A participação faz-se no gerúndio e no estar, não no ser – isto ou aquilo.

2. Gosto das instituições democráticas onde participe todo o tipo de gente. Por exemplo, num parlamento não tem de haver apenas deputados letrados – ou sequer, seguindo o ponto 1 – treinados na atividade política. Pode e deve haver gente de todos os “walks of life”. Uma das coisas que mais me irritava no Parlamento era a hegemonia da advocacia e do Direito. O Parlamento legisla, é certo. Mas o que interessa na atividade política são os princípios e as escolhas: ideológicas, éticas, de projeto, de visão do mundo. Para a correção técnica da legislação existe o staff, que deve ser estável e eficaz. A atividade legislativa – e a executiva também – não é uma continuação da faculdade de direito.

3. Gosto da militância política que incentive a independência. Os partidos são fundamentais, é claro, e nunca diria o contrário, mas não enquanto organizações em si mesmas. Devem ser instrumentos – e efémeros no longo prazo. O que interessa é que a participação política se faça na base de um contrato: uma ideologia, opções políticas claras, um programa político. O cumprimento desse contrato pressupõe lealdade e disciplina. Mas outra coisa bem diferente é participar no jogo da coisa-partido enquanto grande burocracia de tráfico de influências e de carreirismo. Uma lista, com um programa claro, e um compromisso face a ele por parte de pessoas e mentes independentes, durante um tempo suficientemente longo mas limitado, isso sim.

Então é mais ou menos isso.

This Post Has 0 Comments

Leave A Reply