Blog

ANO NOVO EM REDE

ANO NOVO EM REDE

No anos noventa escrevia uma crónica semanal, aos domingos, no Público. Era o tempo, ainda, dos jornais – e das “crónicas”. Entre o tempo dos jornais e das crónicas, e o tempo dos blogues, e tendo acabado a colaboração no Público, fui publicando crónicas, à maneira do jornal, num website pessoal. Por pouco tempo. Com os blogues veio um dito cujo, já um misto do que fora o modo jornal-crónica e do que viria a ser o modo facebook. Pelo caminho, fui também colaborando em blogues coletivos, de causas (como um em torno do aborto) ou de continuidade (como o Jugular). Com o advento do facebook tudo mudou, mantendo eu este mural e, ao mesmo tempo, um site, onde publico ocasionalmente crónicas mais aprofundadas e partilhadas no facebook. Escrever em jornais tonou-se numa coisa restrita a muito poucas pessoas ou numa coisa oferecida de graça às empresas de comunicação. Os blogues perderam a dinâmica que tiveram. O facebook padece do problema do imediatismo, da reação aos eventos, e da quase impossibilidade de registo e arquivo (que tenho ultrapassado com a encomenda dos Social Books em papel). O “problema das redes sociais” pode, claro, ser contornado. Depende de como se usa o facebook. Mas a frustração é constante – a sensação de estar a atirar coisas para o ar. Fiz, então, uma experiência neste início de ano: só escrever uma vez por semana e sob a forma de quase-crónica, publicada no meu site e divulgada no facebook. O resultado? Um híbrido estranho, de alcance duvidoso. Não resulta. Cedo, então. Mas tentarei, apesar de tudo, um tandem: o facebook com a sua lógica imediatista e efémera (já para não falar dos difíceis – para mim – Twitter e Instagram), mas mais comedido: e as crónicas no site, a que tentarei dar mais frequência e estabilidade. Fiquemos assim, então.

This Post Has 0 Comments

Leave A Reply